PRESIDENTE MÉDICI - GEOGRAFIA E HISTÓRIA DE PRESIDENTE MÉDICI (RONDÔNIA/BRASIL)


Presidente Médici é um município brasileiro do estado de Rondônia. Localiza-se a uma latitude 11º10'33" sul e a uma longitude 61º54'03" oeste, estando a uma altitude de 185 metros. Sua população estimada em IBGE 2011 era de 22.516 habitantes. Possui uma área de 1.758 km².

Fundação: 16 de junho de 1981
Gentílico: medicense

Demografia
Os primeiros colonos chegaram ao local na margem da BR-364, na década de sessenta, instalaram-se em apenas quatro barracas no meio do lamaçal, dando-lhe o nome de Trinta e Três, por distar 33 quilômetros da Vila de Rondônia, atual cidade de Ji-Paraná. Seus moradores, todos agricultores, socorriam de alguma forma os motoristas e passageiros das viaturas que ficavam retidas em um imenso atoleiro conhecido por Muqui, nas proximidades do rio com este nome.

O lugarejo crescia em número de habitantes e casas com a chegada de novos colonos que nele se estabeleciam a apesar da situação litigiosa. No primeiro semestre de 1972, sua população atingia mais de 800 habitantes e os ônibus que ligavam Cuiabá a Porto Velho, faziam ponto de parada no local, agora com aspecto de Vila e com dois nomes Nova Jerusalém e Nova Canaã, ostentados em placas distintas colocadas pelos líderes de cada grupo de agricultores em frente de suas respectivas casas.

Devido a estagnação econômica e a falta de investimentos, houve evasão populacional nos últimos dez anos. A falta de empregos diretos e indiretos a ausência de instituições de ensino superior tem afugentado os jovens, que procuram outras cidades para trabalhar e estudar.

História
Em 1915 surgem os primeiros registros sobre a origem do município de Presidente Médici, da passagem da comissão de Rondon pela região. Dados constantes do relatório da Comissão de Rondon daquele ano informam que a região era habitada por seringueiros e trabalhadores do seringal São Pedro do Muqui. A região permaneceu praticamente imutável até a abertura da rodovia federal BR 364, do início do incentivo à colonização do Estado de Rondônia e da região Norte do país.

Os primeiros colonos chegaram ao local da margem da rodovia BR 364, a partir da década de sessenta, instalando-se em quatro barracas ao lado do lamaçal que cobria a estrada. A localidade ficou conhecida como "Trinta e Três" por estar a 33 km da "Vila de Rondônia", atual cidade de Ji - Paraná.

A imigração ficou mais intensa a partir de 1970, onde originou os conflitos litigiosos com o proprietário das terras, Sr.José Milton de Andrade Rios, que acusava os colonos imigrantes de grileiros e invasores de suas terras. As terras ocupadas pelos colonos estavam situadas entre os igarapés Preto e Leitão, que segundo o pretenso proprietário, faziam parte da Fazenda Presidente Hermes, de sua propriedade.

O INCRA tentava impedir a fixação dos colonos no local por não haver uma definição sobre a posse de terras, quanto se era do senhor Milton Rios ou da União. O lugarejo crescia com a chegada de novos colonos. Diante da situação, o INCRA/RO criou o setor Leitão que era uma extensão do Projeto Integrado de Colonização Outro Preto para assentar dentro das normas os colonos. O vilarejo ficou como sede do projeto que surgia.

No primeiro semestre de 1972, a população do vilarejo atingia mais de 800 habitantes e os ônibus que ligava Cuiabá/MT a Porto Velho/RO faziam ponto de parada no local, agora com aspecto de Vila, e já elevado à categoria de subdistrito. Os pioneiros discutiam o novo nome do lugar em substituição ao "Vila 33" e colocavam placas em frente de suas casas sugerindo os mais diversos nomes como: Nova Canaã, Nova Jerusalém e outros. Por um plebiscito escolheram um nome dentre vários apresentados, como Getúlio Vargas, Presidente Médici, Fátima do Norte, Cruzeiros do Sul, além de Nova Canaã e Nova Jerusalém, tendo saído vencedor o nome do presidente da república da época, Emilio Garrastazu Médici, confirmado em 30 de julho de 1973 pelo governador do território de Rondônia, Teodorico Gahyva. O povo chamava o povoado de "péla - jegue" em sentido pejorativo.

As autoridades em conjunto com a população passaram a analisar todas as possibilidades de conseguir a transformação do subdistrito em distrito. Foi convocadas uma reunião com a comunidade, para escolher um grupo de pessoas que ia defender seus interesses. Surgiu a "Sociedade amiga da vila". Com o novo nome de Presidente Médici o povoado foi elevado à categoria de distrito do município de Ji - Paraná no dia 30 de janeiro de 1978 pelo Decreto -Lei nº 81.272.

Em decorrência do seu desenvolvimento sócio econômico, foi o distrito de Presidente Médici elevado à categoria de município, pela Lei nº 6.921, de 16 de junho de 1981, assinada pelo então Presidente da República, João Batista de Figueiredo, mantendo o mesmo nome com as áreas desmembradas do município de Ji - Paraná.
Em cumprimento às Leis nºs 103, de 20 de maio de 1986; 157, de 19 de junho de 1987 e 604, de 10 de abril de 1995, o município cedeu área territorial para criação dos municípios de: Alvorada DOeste, Nova Brasilândia DOeste e Ministro Andreazza, respectivamente. A lei nº 493, de 9 de julho de 1993 prevê a cessão de área territorial do município de Ministro Andreazza para Presidente Médici.

Significado do Nome
Os pioneiros discutiam o novo nome do lugar em substituição ao Vila 33 e colocavam placas em frente de suas casas sugerindo os mais diversos nomes como: Nova Canaã, Nova Jerusalém e outros. Por um plebiscito escolheram um nome dentre vários apresentados, como Getúlio Vargas, Presidente Médici, Fátima do Norte, Cruzeiros do Sul, além de Nova Canaã e Nova Jerusalém, tendo saído vencedor o nome do presidente da república da época, Emilio Garrastazu Médici, confirmado em 30 de julho de 1973 pelo então governador do território de Rondônia, Teodorico Gahyva. Apesar do nome escolhido o povo, chamava o povoado de péla - jegue em sentido pejorativo, mas com o decorrer do tempo caiu em esquecimento.

Referências
www.presidentemedici.ro.gov.br
Wikipédia